Precisamos conversar. Conversar sério.

Durante a madrugada de sexta-feira em uma festa conhecida da capital uma amiga de amigos foi agarrada a força e depois de aproximadamente quatrocentos e cinquenta “nãos” foi empurrada. Não surpreendentemente as meninas as quais estavam por ali também foram agraciadas pelas gentilezas do rapaz.

Sábado durante a tarde com muita tristeza recebi a notícia que uma menina a qual conhecia desde os meados de 2008, minha época de Guia de Turismo, foi espancada pelo namorado durante uma viagem.

Senhor,  pode parar por aqui que eu quero descer. Pára tudo!

Como a maioria de vocês sabe sou pai de uma menina. Uma princesa, diga-se de passagem. O processo de ser pai de menina derruba qualquer machão de carteirinha ao ouvir um mero “Papai”. O Discovery Turbo é trocado, com um prazer bárbaro, pelas incessantes músicas da Galinha Pintadinha. Um beijinho na bochecha estremece o joelho de qualquer triatleta.

As mães corujas, como a da minha filha, tornam-se pesquisadoras natas. Sabem os melhores hábitos, rotinas, produtos, pomadas, bicos, fraldas. Outrora são nutricionistas refutando qualquer desvio na alimentação. Refrigerantes? Jamais!! Não menos importante, viram intérpretes de músicas de ninar para as noites sem sono.

Dói-me pensar que algum dia minha filha possa passar por qualquer tipo de agressão.

Não tenho objetivo de comentar, julgar e expor os casos. Os dois estão sendo tratados pelos meios corretos.

Faço um apelo para cuidarmos das mulheres.

Não é nada fácil ser mulher. Um taxi na volta da balada, uma festa, um ônibus lotado, um copo de bebida despretensioso, um ciúmes excessivo pode coloca-las em perigo.

Nossa vigilância pelo bem estar feminino é dever. Eduquem seus filhos para trata-las com respeito, amor e carinho.

Eduquemos as nossas filhas para não aceitarem nada menos do que um cavalheiro.

O autor do texto é Edemar Couto Júnior, Gerente de Contas na empresa Jurerê Internacional Official, Estudante de Engenharia da Produção PUCRS, Paintballer, Gremista e pai da linda Isadora.

Edemar Couto Júnior e a filha Isa.
Edemar Couto Júnior, Pai da Isadora.

Anúncios