A primeira questão  da partilha de bens  de um divórcio é identificar o regime em que o casamento foi oficializado.

Em caso de meação, são duas as possibilidades.

Se o casamento aconteceu em comunhão universal, cada um passa a ter direito à metade de todo o patrimônio.

De outro modo, se o matrimônio era de comunhão parcial de bens, o meeiro recebe apenas parte do total acumulado durante o casamento, por meio de esforço comum.

Em ambos casos, o melhor caminho é buscar a separação consensual, em que a divisão é discutida entre as partes de maneira mais simples. O divórcio  litígioso costuma ser mais desgastante, mas em muitos casos é o único remédio.

Linda Ostjen
Advogada, licenciada em Letras pela PUC/RS, bacharel em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da PUCRS, com especialização em Direito Civil pela UFRGS e Direito de Família e Sucessões pela Universidade Luterana (ULBRA/RS), Mestre em Direitos Fundamentais pela Universidade Luterana.
Escritório em Porto Alegre/RS, Av. Augusto Meyer, 163 conj. 304.
 Email: linda@ostjen.com

Anúncios