O ator Kadu Moliterno entrou com duas ações contra a atriz Luana Piovani, que em um vídeo em seu canal no YouTube lembrou o episódio em que ele foi acusado de agredir a esposa e o comparou a José Mayer, o galã que admitiu ter cometido assédio sexual contra uma figurinista da Globo.

Uma das ações foi feita por meio de uma notícia-crime em uma delegacia, que pode chamar Luana para depor a qualquer momento. A outra foi aberta na 7ª Vara Cível do Rio de Janeiro, da Barra da Tijuca, e tem caráter indenizatório: Kadu pede 50.000 reais de reparação financeira por danos morais.

“O Kadu tomou duas atitudes, uma delas foi uma ação por dano moral na 7ª Vara Cível, pedindo uma indenização não para ganhar dinheiro fácil de Luana Piovani, mas para que a Justiça a repreenda e ela entenda que não pode exceder o seu direito de manifestação.

Ela não pode agredir, ofender”, diz Jonas Tadeu Nunes, advogado que representa o ator. “O Kadu foi acusado de agressão, mas nada foi provado. O processo ficou suspenso no Juizado de Violência Doméstica porque não foi demonstrada agressão, tratou-se de um desentendimento mútuo do casal. E, nesse caso, prevalece o que se chama de presunção de inocência”, continua Nunes, citando o caso de 2006, quando Ingrid Saldanha, ex-mulher do ator, saiu na capa de VEJA afirmando ter sido agredida por ele.

“Na delegacia de polícia, o Kadu fez uma notícia-crime, requerendo uma apuração para verificar se de fato ocorreram, por parte da Luana, os crimes de calúnia, difamação e injúria. A polícia pode remeter o caso ao Juizado Especial Criminal ou, se entender que já tem elementos suficientes para apurá-lo, chamar a atriz para depor, além de convocar o Kadu para ratificar a notícia-crime. Na ocasião, pode ser feita uma uma acareação entre eles”, diz Jonas Tadeu Nunes.

De acordo com o advogado, a ação indenizatória deve levar até um mês para levar Luana a falar — ela primeiro será citada, terá de apresentar uma contestação e então se apresentar em juízo. Já à delegacia, ela pode ser chamada a qualquer momento.

Além do fato de Luana acusar Kadu de uma agressão não provada, o advogado contesta a comparação, feita pela atriz no YouTube, entre ele e José Mayer. “Ela dá a entender que ele é reincidente, como se fosse um costumeiro agressor de mulheres. Ao falar do caso do José Mayer, ela comparou um caso de assédio a um de agressão, casos que não têm relação jurídica. Ele nunca assediou ninguém.”

Luana Piovani sugeriu que Kadu Moliterno é reincidente porque o ator sofreu outra acusação depois daquela de Ingrid Saldanha. Em 2014, oito anos depois do caso da ex-mulher, ele se viu acusado pela ex-namorada Brisa Ramos. A atriz usou seu perfil do Facebook para afirmar que, em cinco meses de relacionamento, foi agredida três vezes pelo ator.

Por Maria Carolina Maia
Fonte: veja abril

Anúncios