Expulsa de diversos países a Universal agora é acusada de roubo de crianças em Portugal por rede de TV

Série de 10 episódios contará a história da Universal em Portugal e como crianças teriam sido ilegalmente tiradas do país

 -

 

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) tinha, na década de 90, um lar ilegal de crianças, em Lisboa, de onde desapareceram vários menores roubados às suas mães.

Os filhos das duas filhas de Edir Macedo, o brasileiro que lidera a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), terão sido roubados de um lar para crianças que o movimento religioso manteve em Lisboa durante os anos 1990. Depois disso, foram adoptados, de forma irregular, no Brasil. A história é contada numa série informativa da TVI, que começa a ser emitida esta segunda-feira.

As crianças eram entregues diretamente no lar, à margem dos tribunais, por famílias em dificuldades e acabavam no estrangeiro, adotadas, de forma irregular, por Bispos e Pastores da igreja.

Após sete meses de investigação, uma equipa da TVI constituída pelas jornalistas Alexandra Borges e Judite França, descobriu as mães a quem roubaram os filhos que falam pela primeira vez.

Estas mães literalmente foram roubadas no que diz respeito aos seus filhos, de quem não sabiam há mais de 20 anos. Esta investigação só foi possível ser conhecida 20 anos depois. Agora, algumas pessoas saíram da Igreja, começaram a ver com distanciamento e guardaram, inclusivamente, documentação original daquela altura. É uma história muito grave. (…) Temos histórias complicadíssimas”, explicou Alexandra Borges, no Jornal das 8 da TVI.

Em casos de adoção que são casos sigilosos, chegar às mães é muito difícil. Nós estávamos a fazer um caminho de investigação totalmente diferente e, de repente, tropeçámos numa deixa. Fomos desfiar esse fio e o fio nunca mais acabava, até que conseguimos chegar a essas mães e a algumas dessas crianças. (…) Há 20 anos, a máquina estava muito bem oleada”, acrescentou a jornalista Judite França.

Segundo a investigação da estação de televisão, que deu origem à série informativa “O Segredo dos Deuses”, vários menores entregues por famílias portuguesas com dificuldades financeira ao lar da IURD alimentaram durante anos uma rede internacional de adopções ilegais liderada por dirigentes daquele culto.

O Lar Universal era parte da obra social da IURD e funcionou, durante os anos 1990, em Lisboa. Segundo a investigação da TVI, as crianças “eram entregues directamente no lar, à margem dos tribunais, por famílias em dificuldades”. Depois disso, desapareciam e “acabavam no estrangeiro”, adoptadas de forma irregular.

Os netos de Edir Macedo seriam provenientes desta rede, que também enviou crianças para adopção para outros bispos e pastores daquele movimento.

Dezenas de famílias portuguesas afectadas

A reportagem da TVI conseguiu identificar dezenas de famílias portuguesas a quem os filhos terão sido “roubados” e que pela primeira vez falam publicamente sobre a situação. OS menores terão sido depois levados para o estrangeiro, sobretudo para o Brasil, onde a IURD tem sede, e os EUA, onde o seu líder, Edir Macedo, vive actualmente, e onde o culto se instalou no final dos anos 1980.

Conta também a série informativa da TVI, assinada pelas jornalistas Alexandra Borges e Judite França que investigaram a história durante os últimos sete meses, que um “importante membro” desta rede chegou mesmo a “roubar um recém-nascido à mãe na maternidade” e registá-lo directamente, como seu filho biológico, lê-se num comunicado emitido por aquele canal de televisão.

“O Segredo dos Deuses” começa a ir para o ar esta segunda-feira, após o Jornal das 8, e será emitido todos os dias úteis. A série tem um total de dez episódios, prolongando-se a sua exibição até ao dia 22 de Dezembro.

Além das jornalistas Alexandra Borges e Judite França, a série conta ainda com imagem de Ricardo Ferreira, Nuno Ascensão, Romeu Carvalho, João Pedro Matoso e Alexandre Vieira, edição de Miguel Freitas e grafismo de Paulo Trindade, Sofia de Botton e João Nunes. A TVI apresenta esta como a “primeira série informativa da televisão portuguesa”.

Expulsão

A Igreja Universal que até pouco tempo se vangloriava de estar em centenas de países hoje coleciona um série de expulsões como da Zâmbia, Angola, Madagascar e Moçambique, de onde até mesmo seus dirigentes tiveram de sair, acusados em alguns casos de serem ladrões, de satanismo, charlatanismo e coisas parecidas.

Aborto

Apesar de não falar no Brasil sobre o assunto, onde a maioria absoluta se posiciona contra, a igreja Universal, supostamente com princípio cristãos – apesar de seus bispos utilizarem indumentárias que se referem à outra prática e pregarem quase sempre sobre os bens terrenos, tanto que as orações exibidas durante o dia na TV Record tem em sua maioiria com fundo mansões, locais e carros de luxo –  a TV Record, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, decidiu lançar campanha em defesa do direito ao aborto na África do Sul, segundo a Folha de São de Paulo.

Prisões e fortuna

Além de homem-forte da IURD, Macedo, que é considerado o proprietário da TV Record e dono de uma fortuna avaliada pela revista Forbes em mais de 3,2 bilhões de reais (cerca de 850 milhões de euros), foi preso sob a acusação de charlatanismo, curandeirismo e estelionato, teve vídeos vídeos polêmicos divulgados, uns considerados incompatíveis com a doutrina que prega e outro onde ele ensina seus pastores a arrecadar dinheiro dos fiéis, chegando a falar a famosa frase “ou dá ou desce”, perdeu muitos fiéis mas foi “perdoado” pelos mesmos – o que é compatível com a doutrina cristã – mas de forma, estranha, por assim dizer, mantido na direção da igreja depois de diversas vezes não ter agido como um “pastor” no sentido literal.

Olhos vendados da justiça brasileira

Mesmo não considerando a aumento patrimonial “fantástico” de Macedo através da arredação da igreja, que nem mesmo é considerada uma empresa, e isenta de impostos e fiscalizações, o que acontece também em várias outras como a Mundial, de Valdomiro, algo considerado normal pelo deputado e também pastor Marcos Feliciano, quando questionado pelo jornalista Roberto Cabrini, sobre ele ter criado um patrimônio milionário com “a fé”, não podemos de deixar de questionar porque a justiça não toma posição contra os vídeos divulgados diariamente onde supostos tratamentos de 3 a 5 minutos promovem a cura de usuários de drogas. Antes os tratamentos não eram tão “rápidos”, mas acabaram sendo assumidos como depois de vários usuários na internet questionarem os supostos viciados e “pastores” estarem com a mesma roupa antes e depois da “cura”.

São vídeos divulgados em rede nacional, todos os dias, quase sempre usando uma capsula com o que seria cocaína, o que é estranho alguém estar portando no momento que vai à uma igreja atrás de cura. Mesmo que não se trate de charlatanismo e os pastores tenham descoberto um tratamento milagroso – ou mágico – que todos os outros especialistas do mundo desconheçam, ainda assim as instuições da justiça deveriam há anos ter investigado, mesmo que fosse para comprovar que sejam eficazes.

Fonte: As informações são da TVI Portugal e Publico.PT

Site: https://goo.gl/DncPu4

 
Anúncios