O processo de investigação de paternidade pode ser iniciada pelo suposto pai, pela mãe ou outra pessoa interessada que deverá informar ao Judiciário quem é o suposto pai através da Ação de Investigação de paternidade.

Sendo o autor da ação o menor de idade, ele deverá estar representado por sua genitora, ou, por outro responsável legal, que indicará logo no início da ação todos os dados do possível pai, para que esse tome conhecimento da ação (por meio da citação por oficial de justiça) e apresente sua defesa.

A maneira mais eficaz de descobrir se há vínculo de paternidade entre o suposto pai e o filho é realizando o exame de DNA.

Em data a ser designada pelo Juiz, geralmente depois da apresentação da defesa, será agendada a coleta do material genético tanto da criança, quanto do suposto pai (e, às vezes, da mãe também), para realização do exame.

Adv. Linda Ostjen