As relações abusivas não começam com empurrão ou tapa na cara. Todos que experimentaram isso viveram um início de relação mágica, perfeita. Os abusadores primeiro seduzem e fazem a outra parte confiar muito neles, procuram gerar dependência e buscam validação para o quanto eles são bons, o tanto que o seu amor é verdadeiro e genuíno.

Acontecem muitas coisas, que sinalizam uma relação ruim, antes do empurrão, do tapa na cara e a ameaça de suicídio.

A abusadora ou o abusador te chama de gorda, de burra, de incapaz, de malandra, de grosseira entre outras ofensas.

Ela, a abusadora, diz que os seus amigos são todos falsos, as amigas interesseiras ou piranhas e que sua família não presta. E ele, o abusador,  também dá a entender que você não sabe muito de nada, você não é grande coisa e que ele é uma dádiva de Deus na sua vida.

E assim, pouco a pouco, e com altas doses de manipulação ele vai minando a sua auto confiança, afastando você de sua rede de apoio até que você se sinta completamente só e dependente dele ou dela.

Uma relação abusiva se forma como uma teia de aranha, invisível. Você só se dá conta de que ela existe quando se pega completamente presa nela.

E você busca a saída, não sem dor.

E, quando você sair, você será perseguido.

O abusador falará mal de você. Ameaças por mensagens e telefonemas intermináveis. Uns ameaçam que vão cometer suicídio e até podem parar no hospital. Procuram te prejudicar profissionalmente. Prejudicam a liberdade para ser feliz em novos relacionamentos. O firmamento é o limite para os abusadores. Várias práticas covardes você vai experimentar ao cruzar a porta de saída de um relacionamento abusivo. É ruim sair, é terrível ficar e qualquer  uma das alternativas ao lado do abusador gera desconforto e causa dor. O objetivo do abusador é causar dor e normalmente  conquistam o objetivo, pois eles  conhecem a gente.

E, mesmo depois de você sair da relação, o abusador te procura. Mas agora você é o algoz e ela é a vítima. O abusador inverte.

Por algum tempo é isso.

Eles voltam. Sempre voltam. Na maioria voltam trazendo prejuízos maiores.

Só você tem a ferramenta para cortar os laços com a abusadora ou o abusador e se livrar da relação tóxica. O livramento disso, dessa teia de aranha, é a tua cura.  É tudo com contigo.

Escolha você. Sempre é tempo de voltar a si mesmo.

Uma boa ideia é procurar a polícia e uma advogada.

Linda Ostjen, advogada.

Teias de Aranha - De que são feitas, utilidades e por que são grudentas?